segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Direitos de Cidadania - Direitos da Mulher




Os direitos só adquirem existência social na medida em que configuram o espaço da cidadania formal. Os direitos se escrevem com as tintas do poder, da persistência e da negociação. Os direitos de cidadania e direitos humanos refletem a dinâmica de relações sociais e estruturas de poder vigentes. A temática da ação política das mulheres na luta pela afirmação de direitos, sempre sujeita a avanços e retrocessos tem desempenhado papel crucial e demarca o território da dinâmica de poder.

Cidadania e exclusão deveria ser o único critério para a titularidade de direitos humanos. Ao longo da história determinadas classes, categorias e grupos sociais têm se definido como mais humanos, ou seja, mais titulares, do que outros. A própria ideia de cidadania, traz embutida a questão da exclusão. O critério de sexo tem sido fundamental para demarcar a desvalorização das mulheres traçando, ao longo dos séculos, um caminho de menor titularidade.

Desafios enfrentados há anos, tanto no campo profissional quanto pessoal, fizeram com que as mulheres lutassem pela igualdade de gênero. Hoje fala-se mais no empoderamento feminino, visando a igualdade de salários quando desempenhadas funções similares aos homens, respeito no âmbito geral (sofrem de violência doméstica, assédio sexual, discriminação profissional e política, etc).

Há também a necessidade de profissionais capacitados e preparados para atender problemas relacionados às ocorrências a cerca de violência doméstica, nas áreas de segurança/policial, saúde, política e justiça, pois muitas vezes as mulheres sofrem humilhação quando vão registrar a denúncia e/ou queixa. Talvez o ideal seria uma integração dos serviços de atendimento às mulheres.

Esperamos que com o tema: “Mais Direitos, Poder e Participação para as Mulheres” a Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres de 2016 alavanque uma nova era e que realmente possamos presenciar e constatar avanços na luta contra a violência, o crescimento do empoderamento das mulheres e a igualdade de oportunidades. 


 Direitos de Cidadania - Direitos da Mulher - autoria de Valéria Borges da Silveira

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Entrega da Medalha M.M.D.C.

 Valéria Borges da Silveira com os pais Luiz Carlos e Maria Ines e o Coronel Teixeira do 15º GACAP e esposa Daniele.
Em solenidade no dia 18 de fevereiro, no Teatro São João da Lapa-PR, alusivo a comemoração do " Cerco da Lapa", foram agraciados com a " Comenda e Medalha M.M.D.C" criada com o fim de galardoar pessoas que por méritos e serviços prestados contribuem com a comunidade.
Entre os agraciados,
Valéria Borges da Silveira, Maria Ines Pierin Borges da Silveira e Luiz Carlos Borges da Silveira, que receberam a condecoração do General Lancia e Ten. Coronel Teixeira. Após o evento aconteceu um desfile Cívico Militar em frente ao Panteon dos Heróis."

significado da medalha:

"A Medalha “MMDC”, foi criada com o fim de galardoar pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que por seus méritos e serviços relevantes prestados à São Paulo e ao culto da Revolução Constitucionalista de 1932, se tenham tornado pessoas dignas de especial distinção. 
O nobre significado da sigla “MMDC”, deve-se às iniciais dos nomes dos quatro estudantes, Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, que reivindicando para o povo brasileiro uma Constituição que visasse um Estado Democrático de Direito, no dia 23 de maio de 1932 na Pça da República – SP, acabaram por serem baleados por parte do governo ditatorial e faleceram. O sangue destes quatro heróis, culminou na guerra denominada “Revolução Constitucionalista de 32” e trouxe bons reflexos à toda nação, pois em data subseqüente (1934) o Governo promulgou uma Carta Constitucional assegurando direitos e garantias individuais a todos os brasileiros. 
A Lei Fed. nº 12.430, de 20 de junho de 2011 inscreveu os nomes dos heróis paulistas da Revolução Constitucionalista de 1932: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (MMDC), no Livro dos Heróis da Pátria. 
A Medalha “MMDC”, é portanto uma Comenda Emérita definitiva, pois perpetuará a gratidão e o reconhecimento, para todo o sempre, dos que cumpriram esta jornada cívica para com aqueles que, hoje e no futuro, continuarem abraçando os mesmos ideais de democracia, liberdade e amor à legalidade pelos quais se bateram os heróis e Veteranos de 32."
Abaixo fotos do evento: 
 Valéria e Maria Ines Borges da Silveira com a bisneta do General Carneiro Sra Marly dos Reis Bizeto

 Família Borges da Silveira com o Coronel do CindactaII Cel. Wolnei  e esposa Maria Juliana.

 Familia Borges da Silveira com o General Lancia


terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

CAMINHOS DA INCLUSÃO



A vida nos mostra caminhos muito interessantes. Ela sempre nos dá desafios que exigem força e energia. E nos dá sabedoria quando preciso, para atuar em projetos mais complexos.

A ambição é positiva, desde que dosada, com base em valores, em ética.

Existem coisas importantíssimas na vida que fazem a carreira de uma pessoa. Devemos aprender a gostar do que fazemos e termos humildade para saber que sempre temos algo a aprender, e esse aprendizado pode vir de diferentes pessoas, de diferentes níveis sociais e hierárquicos.

O ser humano deve se desenvolver em busca do aumento da competitividade, da produtividade e da “trabalhabilidade” (empregabilidade), isto é, não devemos buscar empregos, mas procurar formas de trabalho e renda.


As pessoas são as células mais importantes no desenvolvimento global, devem ser reconhecidas pelos resultados que conseguem mostrar, além das tarefas que executam. E a riqueza cultural do mundo consiste na diversidade.

A inclusão – entre as diferentes culturas é a melhor garantia do desenvolvimento e da paz. Devemos buscar construir uma sociedade inclusiva, aberta à diversidade humana, valorizando as minorias sem desvalorizar as massas, dando o devido valor a todos.

Houve um tempo em que se dava preferência a empregados que fossem semelhantes na imagem e no pensamento. Hoje, a força inovadora das empresas – e muitas vezes a garantia de seu sucesso – vem da diversidade.

Atualmente gestores unem esforços na contratação e no desenvolvimento de pessoas de diferentes etnias, idades, gêneros, religiões, orientações sexuais, origens e filosofias, promovendo ainda a inclusão no mercado de trabalho de jovens trabalhadores e de portadores de deficiências.

“Condenando” o preconceito, as empresas obtêm equipes multiculturais de variadas competências, habilidades e histórias de vida, assegurando o respeito mútuo e a dignidade de todos, buscando e sabendo ver o que cada um consegue oferecer de mais especial.


Cada pessoa é uma fonte surpreendente de idéias, que motivada faz com que as opiniões mais distintas transformem um ambiente em um lugar de crescimento mútuo.

"Caminhos da Inclusão" - texto de autoria de Valéria Borges da Silveira - todos os direitos reservados.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Convite: Lançamento oficial site Atlas Eletrônico

clique na imagem para ver em tamanho maior

Lançamento oficial site Atlas Eletrônico do Patrimônio Cultural da Lapa-Pr - 13 de fevereiro de 2016 as 14 horas no Museu Casa Lacerda.