quarta-feira, 2 de setembro de 2015

LIMITES


Palavras são palavras mendigando atenção.
As respostas são negadas,...
as promessas valem não.
Ninguém pode ocultar:
em cada face existe uma lágrima escondida,
prestes a rolar...
Os meus olhos não alcançam os limites,
fico perdida na amplidão das paisagens...
Possuo o silêncio do medo,
Meu tempo é limitado
em um mundo de sonhos inacabados.
Tenho esperança, esperando um talvez,
tenho tempos passados,
marcas na alma... perdida num turbilhão de
pensamentos.
Escalo o muro de meu saber,
A solidão é meu tempero, sinto fome sem desespero.


"Limites", Autoria de Valéria Borges da Silveira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário