sábado, 26 de abril de 2014

HOMENAGEM AO DIA DO TROPEIRO E A HISTORIA DA LAPA

A história da Lapa está atrelada ao tropeirismo.

Na antiga Vila do Príncipe, hoje nossa cidade da Lapa, no tempo em que foi fundada, em 1731, era uma grande campina, cortada por verdejante e por rumorejantes riachos de água, lugar ideal para descanso e pousada.

Os tropeiros nos deixaram um legado de imenso valor. Já na entrada da cidade, nos deparamos com o monumento ao tropeiro, obra do artista Poty Lazzarotto, que registra a história dos homens protagonistas da construção da cidade. Continuando, temos a Avenida Manoel Pedro, uma lembrança para uma geração mais remota, que vivenciou a Rua das Tropas ser tomada pelo barulho da tropeada.

Ao revisitarmos a história da Lapa, não há como negar a importância do tropeirismo na criação e desenvolvimento da cidade. Foram os tropeiros os precursores do progresso, foram eles que fecundaram este chão do qual nos orgulhamos. Somos herdeiros dos hábitos, valores, costumes, desses homens que lavraram estas terras com amor e coragem, nos colocando na rota de uma história que jamais será esquecida.

Ao se falar em tropeirismo e legado cultural deixado pelos tropeiros, precisamos lembrar que personagens ilustres contribuem e contribuíram para a construção da rica história da Lapa.

Entre os personagens que destacaram-se na história do tropeirismo, está a figura de David dos Santos Pacheco – o Barão dos Campos Gerais, o homem símbolo na história econômica e social do Paraná, na sua conjuntura tropeira do século XIX.

David dos Santos Pacheco, nasceu em 1810 na Vila do Príncipe, as margens do Rio Iguaçu, na antiga Fazenda Bom Jardim, posteriormente Fazenda Santa Amélia e hoje, Assentamento do Contestado. Era descendente direto dos fundadores da cidade: João Pereira Braga e Josefa Gonçalves da Silva.

Casou-se em 1844 com sua sobrinha Anna Francisca Pacheco de Carvalho, a baronesa dos Campos Gerais.

David dos Santos Pacheco foi um grande homem de negócios, teve grande importância na vida publica e política, foi empreendedor, com uma ampla visão das sociedades mercantis da qual participou e liderou. Um dos mais importantes tropeiros e negociantes de muares da Província do Paraná o que lhe deu projeção e posição ímpares.


Texto de Valéria Borges da Silveira , publicado primeiramente em 2010, em homenagem ao Dia do Tropeiro que é comemorado no dia 26 de abril

terça-feira, 22 de abril de 2014

1 Festival Rock de Verdade



Eliminatória dia 25/04 no Deck 576 ás 22h. Show de encerramento com a Banda MADE IN BRAZIL Rock de São Paulo. Final dia 10/05 ás 22h no Hotel Tropeiro da Lapa. Show de encerramento Rodrigo Santos ( BARÃO VERMELHO ETERNAMENTE)e os Lenhadores com Fernando Magalhães( Barão Vermelho) Kadu Menezes O Lenhador Kid Abelha). Rock do Rio de Janeiro. Bandas de Rock do Paraná estão todas convidadas.

Ordem de apresentação das bandas participantes do Festival:
1- Banda Netúnia
2- Buzzera
3- Banda Synapse
4- Dylan Dog
5- Fuga da Alma
6- Captação Acústica
7- Phantom
8- Banda RadioPlay
9- Old Rock
10- Banda Killer Jack

Vendas de ingresso* - Fissura Dropwear, Acústica musical e Pet Cursos.
1-Lote 25,00 reais
2-Lote 30,00 reais
*Ingressos limitados.

Organização: M&B - Morais e Borges Produções e Eventos

sábado, 19 de abril de 2014

FELIZ PÁSCOA!!!!!!




"PÁSCOA É TEMPO DE AMOR, DE FAMÍLIA E DE PAZ ...
É TEMPO DE AGRADECERMOS E ORARMOS A DEUS POR TUDO QUE TEMOS E POR TUDO QUE TEREMOS.
PÁSCOA É UM SENTIMENTO NOS NOSSOS CORAÇÕES DE ESPERANÇA, FÉ E CONFIANÇA. É DIA DE MILAGRES; É DIA DOS NOSSOS SONHOS PARECEREM ESTAR MAIS PERTO; TEMPO DE RETROSPECÇÃO POR TUDO QUE TEM SIDO E UMA ANTECIPAÇÃO DE TUDO QUE SERÁ. E É HORA DE LEMBRAR COM AMOR E APRECIAÇÃO AS PESSOAS EM NOSSAS VIDAS QUE FAZEM DIFERENÇA..."

São os sinceros votos de Valéria Borges da Silveira

terça-feira, 15 de abril de 2014

CONVITE: EVENTO LITERO-MUSICAL DA ASSOCIAÇÃO LITERÁRIA LAPEANA



Local: Theatro São João - Lapa PR
Data: 25 de abril - sexta-feira
Horário: 19:30

Além de lançamento de uma coletânea onde participam diversos escritores e poetas lapeanos com uma explanação por Ieda Maria Janz Woitowicz, "comemoraremos" em alto estilo o centenário de Dorival Caymmi com a Seresta da Lapa e ainda Denise Sossella de Siqueira - Denise Siqueira e Valéria Borges da Silveira interpretarão poesias em homenagem ao centenário de Augusto dos Anjos.


Este evento é uma realização da Associação Literária Lapeana, com apoio da Prefeitura Municipal da Lapa e Santa Bárbara Produções.

Participem!



terça-feira, 8 de abril de 2014

UM BRINDE A BUSCA DE CADA UM!!!

 


A todas as vozes que desaprenderam preces, ou mesmo que jamais aprenderam.

A todas as solidões individuais ou partilhadas, gritadas, colhidas ou caladas, nos corações e nas almas.

A todas as buscas que levaram a encontros, perdas ou abandonos.

A todos os silêncios de gestos e palavras que encobriram impossibilidades, refúgios, medos ou ausências. E, principalmente, aqueles que disseram mais do que palavras.

A todos os braços e abraços que acolheram, aqueceram e ampararam, nos momentos em que a perda já parecia certa e o abandono das forças de luta era aparentemente a única possibilidade de resposta.

Aos sorrisos esboçados ou assumidos que coloriram os rostos e enfeitaram o mundo.

A todas as crianças crescidas e pequenas que viveram momentos de descoberta e não morreram para o aprender.

A todo o Amor que nasceu e morreu, mas que teve seu espaço de cor, força e brilho nas faces, corações e corpos.

A todas as músicas e versos que os artistas, ou não, exprimiram com suas emoções e nos ajudaram a compreender e comunicar melhor as nossas.

A toda voz ou carícia que não se negou, que ouviu o apelo e respondeu com sua existência, sua expressão sua proximidade.

A todas as orações desesperadas, suplicantes ou agradecidas.

A todos os "becos sem saídas" que deram em novos caminhos e em outras possibilidades.

A todos os desesperos que tiveram a grandeza de pedir ajuda e dar a enorme descoberta de serem conhecidos na partilha e no calor de um olhar, talvez perplexo, mas acolhedor.

A toda a vida que se omitiu ou ousou, que se transformou ou paralisou no tempo do medo.

A todo o medo que a coragem permitiu viver, e que a força não deixou que imobilizasse o gesto, e levou aos passos mais adiante e aos caminhos mais além de antes do ontem.

A todos aqueles que, disponíveis para o novo, o invasivo, o ensaio, percorreram com seus olhos linhas como estas somando as nossas, as suas vivências, indagações e descobertas e fazendo com isto que amontoados de palavras se vestissem de significados, dedico esta mensagem como uma liberdade de aproximação e um enorme desejo de que a busca de cada um não cesse nunca, seja ela qual for, por mais que mudem as respostas ou que por vezes, nos desanime a ausência delas.

Um brinde aos encontros, que neste espaço de vida, puderam acontecer...


"Um brinde a busca de cada um", autoria de Valéria Borges da Silveira - março 2014