segunda-feira, 28 de outubro de 2013

VI Edição do FESTIVAL DE CINEMA DA LAPA

PROGRAMAÇÃO PREVISTA
06/11
19h - Comenda Tropeira da Lapa ao Presidente da Fecomércio Darci Piana (Tenda do Festival)
20h - Abertura solene do VI Festival da Lapa - Filmes de Época (Tenda do Festival)
21h - Mostra Competitiva: "Somos Tão Jovens" (16 anos) - Theatro São João

07/11
14h - Mostra Infantil (4 curtas) – Theatro São Joao – censura livre
16h - Mostra Universitária – (censura 12 anos) - Theatro São Joao
18h - Homenagem a Produtora Tigre + longa do Tigre (Tenda do Festival)
20h - Cinejornal + Curta "Uns braços" (Tenda do Festival)
21h - Mostra Competitiva: "Cara ou Coroa" (16 anos) - Theatro São João

08/11
14h – Mostra Infantil (4 curtas) – Theatro São Joao – censura livre
16h - Mostra Universitária – (censura 16 anos) – Theatro São João
18h - Mostra Tigre
20h - Cinejornal + Curta (Tenda do Festival)
21h - Mostra Competitiva: "Flores Raras" (16 anos) - Theatro São João

09/11
14h - Mostra AVEC
16h - Mostra Tigre
18h - Mostra Competitiva: "Corações Sujos" (16 anos) - Theatro São João
20h - Encerramento e premiação - (Tenda do Festival)

**** Durante os dias do Festival de Cinema da Lapa haverá uma exposição sob o tema: “Tropeirismo” – na Pousada Tropeira da Lapa – da artista plástica Paula Shmidlin

Convite para musicalização ao vivo de poemas de Valéria Borges da Silveira





Amigos do Facebook, o músico, poeta e jornalista, Anand Rao estará musicando nesta segunda-feira (28/10) a partir das 19:00h 10 poemas meus. A musicalização será feita ao vivo e transmitida pela Ustream Tv. Para ver acesse o seguinte link público do facebook: www.facebook.com/saraudoanandrao, clique no curtir e num U no meio de um quadrado azul (o aplicativo Ustream Tv) depois no meio da tela de tv que aparecer e assista a tudo.

Valéria Borges da Silveira

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Para pensar...- Texto de autoria de Valéria Borges da Silveira



Tudo é uma constante mudança. As pessoas mudam, o mundo muda...
Tudo se transforma com o tempo, e nada permanece igual. O que nos resta são os bons momentos que foram vividos e que ficaram guardados para sempre em nossa lembrança. Devemos viver cada segundo intensamente. Nada é perfeito e em nossa vida, surgem obstáculos e muitas vezes nos vemos sem saída e sem solução para nossos problemas. Aí pensamos e surge a dúvida: Será que existe luz no "fim do túnel"? Para tudo existe uma solução e o maior e principal problema está em nós mesmos, em nossa dificuldade de encarar os fatos e lutarmos por aquilo que realmente desejamos. Toda pessoa possui dentro de si um certo medo, uma insegurança de não conseguir e de ser um perdedor; mas a vida é uma intensa provocação, e devemos encará-la de "peito aberto" para poder vencer e mostrar a nós mesmos que somos capazes de lutar e sermos os melhores. Devemos sempre seguir a voz de nosso coração e seguir sem medo de viver. A palavra nunca, não existe no vocabulário da vida, pois nós podemos tudo o que quisermos. A auto confiança e a segurança devem ser as principais armas nessa batalha que se chama vida. Mas o que a vida representa? A vida é feita de momentos muitas vezes ruins e bons, tristes e alegres e de presente, passado e futuro. O passado foi vivido e as recordações restam; para o futuro termos esperanças de uma vida feliz. Mas e o presente? Devemos vivê-lo ao máximo, para podermos fazer desses momentos os melhores de nossas vidas. Um conselho: Viva e aprenda com a vida. A cada dia, aprendemos novas lições e com elas tiramos proveito para não errar novamente, não "tropeçar" no mesmo erro. Todos os dias acordamos e fazemos praticamente o mesmo, e às vezes o cotidiano cansa. Mas mesmo assim, olhe para o céu e para o sol. Enquanto ele brilhar para nós, ainda existirá esperança. Podemos ser felizes com pequenas coisas. Sempre faça de sua vida uma eterna primavera com flores sempre a nascer. Vida é renovação, é esperança e temos que ter força para lutar. Não importa que tipo de vida você tenha, apenas viva e tente ser feliz, lute até o fim, busque seus sonhos e ideias com toda a força que puder, pois com certeza alcançará; e no fim de sua vida, você poderá olhar para trás e dizer com orgulho: "Eu lutei, eu vivi, eu busquei, eu venci." E os pequenos e grandes obstáculos que enfrentou, você perceberá que foram como "espinhos " que se foram e se perderam com o tempo.





Para pensar..., texto de autoria de Valéria Borges da Silveira.


terça-feira, 15 de outubro de 2013

O Conhecimento - texto de Valéria Borges da Silveira




O conhecimento é o bem mais precioso de uma corporação e um grande diferencial competitivo no mercado. A partir daquilo que aprende, a empresa inova produtos, serviços, canais e comunicações, levando suas inovações ao mercado.

O conhecimento dos funcionários vale ouro. A empresa bem sucedida será aquela capaz de obter e gerenciar conhecimentos sobre seus clientes, concorrentes, produtos, canais, serviços, parceiros, colaboradores e processos. Contudo, não são raras as empresas que desconhecem seus próprios conhecimentos, perdendo produtividade e lucratividade.

A produção e a difusão do conhecimento representam uma chave para o desenvolvimento sustentável, que depende mais do que nunca de trabalhadores mais qualificados e empresas mais competitivas.

E o conhecimento está sempre em transformação e em progresso. Mas é preciso passar de um ambiente competitivo para o colaborativo. Pois quando se estabelecem conexões entre as pessoas, num clima de confiança, o conhecimento se propaga.

Com o avanço da tecnologia da informação, ficou mais fácil desenvolver o capital intelectual.

Para propiciar a circulação do conhecimento, estão as ferramentas tecnológicas, como a internet e as intranets, que são ao mesmo tempo fontes e armazéns de conhecimentos.

Tendo a consciência da importância do capital intelectual, as organizações devem criar as condições de desenvolvimento, fluxo e melhoria contínua do conhecimento. Desenhar a rede para transformar o capital intelectual num bem da empresa – não somente das pessoas. Cada vez mais, a transformação será a norma, a estabilidade será a aberração.


Texto de autoria de Valéria Borges da Silveira