sexta-feira, 31 de julho de 2020

"Sós ou a Sós" - autoria: Valeria Borges da Silveira.


"Você está passando e nem vê...
Nem me vê...
Tudo está passando correndo
E vamos esquecendo
E nem notamos
Que quem amamos
Também passam por nós...
Vamos vivendo e
Vivendo...
Muitas vezes nos deparamos sós
Ou a sós...
Vamos vendo e
Sentindo
Que nem sempre o que sonhamos
Se traduzirá em futuros anos
E dará voz
Ao que almejamos...
Sinto falta de você
Mas...
Você está passando e nem vê...
Nem me vê..."

domingo, 26 de julho de 2020

Dia 26 de julho – Dia dos Avós


Pastoral da Criança - A importância dos avós na vida da criança
"Eu tive o privilégio de conviver com meus avós maternos e paternos. Meus queridos avós já partiram, mas ainda seguem vivos no meu coração. Deixo aqui minha homenagem às pessoas incríveis que eles foram.
Lembranças doces, felizes e amorosas. Bençãos derramadas em minha vida.
Com meus avós aprendi que quase tudo se pode curar com um doce e um carinho sincero.
Amor que nunca envelhece... Quanta ternura há no olhar dos avós e que aconchego têm seus abraços!
E hoje também com essa mensagem homenageio meus pais.
Sim, porque meus pais são meu apoio, meu ombro e meus ouvidos onde desabafo. Nem sei como saberia sorrir e ser feliz sem todo esse amor e carinho a que me habituaram e que transmitem para minha filha também. Sou uma pessoa realizada e dona de um sorriso fácil e sincero graças a meus pais e a meus avós.
Nossos avós tinham razão em priorizar a família, verdadeira razão da felicidade. Marcas de amor, cuidado e carinho.
Avós: Sempre um colo e um ombro amigo, dádiva de Deus!
Que Deus abençoe todos os avós!
Feliz Dia dos Avós!"
Valeria Borges da Silveira

Imagem: pública da internet

sábado, 25 de julho de 2020

Dia do Escritor - Dia 25 de julho


Uma singela homenagem:
"O mar azul, levem-me a vê-lo sem demora, para que eu aprenda, desde cedo, que a violência deve se brandear em espumas.
... E, na volúpia de escrever, se eu não encontrar tempo para tirar os olhos da minha escrita rápida e do meu estilo afrontador, tragam-me um papel de seda, onde eu aprenda a traçar com cuidado.
Ensinem-me a escrever semínimas e máximas, que ditem calmantes aos que me acompanhem nas dissertações da vida.
Se eu, num momento de desvario, quiser pôr um ponto final, transformem-no num ponto e vírgula, ou em reticências, para que eu veja que há tantas vírgulas num texto...
E, quando mais usado, por haver escrito epopéias, alexandrinos e romances, heróicos ou não, deixem-me versejar rosas.
Deixem-me perceber que não vivi ileso, guardado no escuro.
Deixem-me sentir-me gasto em milhares de páginas, a queimar ainda, com rugas de um coração bem batido, envolvido, entregue, e doado."
Valéria Borges da Silveira

quarta-feira, 22 de julho de 2020

UM REAMAR? - autoria: Valeria Borges da Silveira.


https://images.freeimages.com/images/large-previews/a46/couple-in-sunset-hdr-1307344.jpg
"Quando tentamos
De algum sentimento nos resquardar
Quando menos esperamos
Ele volta a incomodar.
Fica a nos rondar
Ou a sondar
Haverá chances de restaurar?
Reativar?
Reavivar?
Pode existir um reamar?"

UM REAMAR? - autoria: Valeria Borges da Silveira.
Imagem: pública da internet